Conquistas e dificuldades

Em Brasília, lideranças da Amazônia compartilham suas experiências no primeiro dia do terceiro encontro do Programa Liderar

Começou hoje, dia 2 de dezembro, o primeiro dia do terceiro encontro do Programa liderar – desenvolvimento de lideranças na Amazônia. As 15 lideranças dividiram as experiências vividas desde o ultimo encontro realizado em setembro, em Manaus.

“Cada vez que a gente se encontra as lideranças compartilham as novidades, o que tem feito nas suas localidades, e as dificuldades enfrentadas pela realidade difícil”, afirma Camila de Castro, coordenadora do programa.

Eles apresentaram os planos de trabalho desenvolvidos ao longo do ano, suas conquistas e dificuldades. Francisco Monteiro Duarte, liderança da Reserva Extrativista do Rio Ituxi, no município de Lábrea, no Sul do Amazonas, destacou a proteção dos quelônios, um trabalho de oito anos feito pelo projeto Preservida. A comunidade Vila Vitória, onde mora seu Francisco, foi a primeira comunidade a aderir ao projeto. Hoje, são mais de seis comunidades. “Estamos conseguindo conscientizar os comunitários de que temos que preservar. Os tracajás e as tartarugas estavam sumindo”, conta.

 Francisco apontou o deslocamento como um dos principais desafios. “Para percorrer as comunidades de barco gasto cerca de 450 reais de gasolina”, explica. Ele também conta que abriu mão da sua vida pessoal para estar perto das comunidades. “Me doei para esse trabalho”.

Manoel de Oliveira Rego, liderança da Reserva Extrativista Capanã Grande, no município de Manicoré, no sul do Amazonas, destacou, entre as conquistas para a reserva, a aprovação do plano de manejo não madeireiro. “Estou muito feliz, foi uma luta de cinco anos até conseguir a aprovação do plano”. Outra conquista destacada por ele foi de conseguir reunir quase mil alunos de todas as comunidades para terem aula de educação ambiental. Manoel também contou sobre a sua participação no mês de novembro do “II Chamado da Floresta” que mais de mil lideranças extrativistas em Melgaço, na Ilha do Marajó.

 Maria Lindalva Melo dos Santos, liderança do município de Barcarena, no estado Pará, que na luta pelos direitos das mulheres do campo,  reuniu-se com mulheres de diversas comunidades e detectou fragilidades. “Elas não têm acesso aos direitos básicos como segurança, saúde e educação. É uma realidade muito dura. Nos resta incentivá-las porque a maioria delas se acomodou. Precisa haver igualdade entre homens e mulheres. Eu, como liderança, tenho que batalhar muito para ter uma sociedade igualitária”, diz.

Sobre a continuidade da luta após a conclusão dos encontro deste primeiro grupo de lideranças do Programa Liderar, Lindalva afirma, cintando Raul Seixas: “Os nossos sonhos continuarão juntos porque nós sonhamos juntos. E sonho que se  sonha junto é realidade”.







Comentários