Consórcio Garah Itxa Capacita Indígenas para Elaboração de Projetos e Captação de Recursos

A capacitação foi realizado em Porto Velho-RO, no Centro de Cultura e Formação da Kanindé.

Foi realizado em Porto Velho-RO, no Centro de Cultura e Formação da Kanindé, nos dias 02 a 14 de agosto, o Curso de Elaboração de Projetos e Captação de Recursos, promovido pelo IEB-Instituto Internacional de Educação do Brasil, no âmbito do componente de Fortalecimento Institucional do Consórcio Garah Itxa – Corredores Etnoambientais na Amazônia, financiado pela USAID, agência de cooperação do governo norte-americano. São parceiros do IEB no consórcio a Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé, Conservação Estratégica (CSF Brasil), Equipe de Conservação da Amazônia (ACT Brasil), Associação Metareilá do Povo Indígena Suruí (Gamebey) e Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB).

Participaram do curso 22 indígenas, indicados por 12 associações de 6 estados da Amazônia Brasileira: Acre, Amazonas, Maranhão, Pará, Rondônia e Roraima, dos povos Apurinã, Arapaço, Cinta Larga, Gavião, Gavião Parkatejê, Jabuti, Jiahui, Paiter Suruí, Wai Wai, Wapichana, Xerente, Yawanawa e Zoró. Metade dos alunos eram mulheres. É a primeira vez que temos notícia de um curso com povos indígenas em que a participação feminina é paritária com a masculina, demonstrando um crescimento significativo da representatividade e da atuação das mulheres em suas organizações.

Coordenado por José Strabeli, consultor em gestão de associações, que também integrou a equipe de facilitadores junto com Cloude Correia e Andréia Bavaresco, respectivamente coordenador e vice-coordenadora do consórcio, o curso tratou inicialmente do papel e importância das associações para o diálogo e negociação dos indígenas com o mundo não indígena, em especial para a reivindicação de políticas públicas, captação de recursos através de projetos e viabilização de atividades econômicas sustentáveis, visando à autonomia e protagonismo indígena.

Para que um projeto seja bem elaborado e responda às reais necessidades das aldeias e povos indígenas, foi destacada a importância da realização prévia de um diagnóstico participativo. Diversas ferramentas foram explicadas e treinadas no próprio curso, tornando possível a sua aplicação pelos alunos em suas associações. Também foram discutidas formas de adaptá-las de acordo com a cultura tradicional indígena, tornando mais efetiva a sua aplicação. Metodologias de diagnóstico organizacional também foram trabalhadas.

Os alunos, vários deles diretores de suas associações, foram estimulados a valorizarem sempre os recursos próprios de suas comunidades, além de buscarem diversas formas de parcerias como forma de captação de recursos, evitando o risco de dependência por recursos externos. A necessidade do planejamento também foi destacada para que os projetos estejam contextualizados na estratégia de ação da associação e não apenas como resposta a editais abertos.

A explicação dos elementos básicos de um projeto foi intercalada com atividades em grupo, nas quais os alunos praticaram a elaboração de projetos. Também treinaram o preenchimento de diferentes formulários aproveitando as informações básicas já elaboradas.

A cerimônia de encerramento e entrega de certificados, fornecidos pelo IEB e a Universidade Federal de Rondônia (UNIR), foi realizada na Biblioteca Pública Francisco Meirelles, em Porto Velho, com a participação de parceiros e convidados. Os alunos, pintados e enfeitados conforme suas culturas, apresentaram cantos e danças tradicionais durante a solenidade.







Comentários