Curso Atividades Econômicas Sustentáveis em Terras Indígenas

Participam do curso alunos dos povos indígenas Suruí, Zoró, Gavião, Jamamadi, Jiahui, Mura, Parintintin, Tucano e Tupari.

O Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), a Associação Metareilá do Povo Indígena Suruí (Gamebey), a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), a Equipe de Conservação da Amazônia (ACT Brasil), a Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé e a Conservação Estratégica (CSF Brasil), no âmbito do Consórcio Garah Itxa: corredores etnoambientais, apoiado pela United States Agency for International Development (USAID), juntamente com a Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), iniciaram no dia 05 de setembro de 2011, na cidade de Cacoal/RO, o terceiro módulo do Curso Atividades Econômicas Sustentáveis em Terras Indígenas.

O Curso conta neste momento com 18 representantes de associações indígenas diferentes, atuantes na região do sul do Amazonas, leste de Rondônia e noroeste do Mato Grosso, em uma área conhecida como Corredor Etnoambiental Mondé-Kawahiba. Participam do curso alunos dos povos indígenas Suruí, Zoró, Gavião, Jamamadi, Jiahui, Mura, Parintintin, Tucano e Tupari. Os instrutores e palestrantes do curso são indígenas e não indígenas, de diversas formações e instituições renomadas, dentre elas: UNIR, UFAC, Unicamp, Funai, IEB, COIAB, Metareilá, Kanindé e ACT Brasil.

De modo pioneiro e inovador, o curso busca conceber os povos indígenas como agentes econômicos inseridos em processos diversos. A partir do principio do diálogo intercultural, tem sido estabelecido um processo de ensino e aprendizagem que valoriza práticas e saberes dos povos indígenas em relação à produção e à comercialização de bens e serviços (objeto da economia) e também ao conhecimento de diversas abordagens científicas ocidentais (economia, agronomia, ecologia, antropologia e ciência política). O propósito é que os cursistas partam da suas próprias experiências e conhecimentos para construírem uma compreensão mais ampla da sua inserção no contexto do mercado capitalista.

Nessa direção, o 1º módulo do Curso foi presencial, realizado entre os dias 17/07 e 30/07/2011. Neste módulo, foi oferecida uma base de conhecimentos científicos e técnicos para os alunos em relação a atividades econômicas sustentáveis em terras indígenas. A partir das experiências dos próprios alunos foram tratados aspectos históricos, conceitos e abordagens científicas (economia, agronomia, ecologia, antropologia e ciência política). Os alunos também aprenderam a operar com ferramentas de diagnóstico e de planejamento, com o intuito de desenvolverem a atividade prevista no módulo seguinte.

O 2º Módulo, não-presencial, desenvolvido durante os dias 31/07 a 03/09/2011, contou com atividades de campo realizadas pelos alunos com o objetivo de propiciar a eles a oportunidade de produzir um diagnóstico preliminar da situação sócio-econômica do seu povo, com base nos conceitos e instrumental apreendidos anteriormente.

O 3º Módulo, em andamento e com previsão de término para o dia 16/09/11, também é presencial e objetiva sistematizar o resultado dos diagnósticos e construir um diagnóstico coletivo participativo da região do corredor, além de estimular os alunos a refletirem sobre os desafios, as oportunidades, as políticas e os programas relacionados com atividades produtivas.

Desse modo, o curso está formando indígenas com capacidade de refletir sobre a situação socioeconômica do seu povo e estimular a promoção de ações produtivas sustentáveis em terras indígenas. Os alunos estão obtendo uma aprendizagem crítica ampla sobre atividades econômicas sustentáveis em terras indígenas, gerando uma reflexão sistemática individual sobre a realidade do povo indígena ao qual o aluno pertence e um diagnóstico socioeconômico coletivo da região do Corredor Etnoambiental Mondé-Kawahiba.







Comentários