Família Liderar

Lideranças da Amazônia da primeira turma do Programa Liderar participaram do último encontro em Brasília
Primeira turma do Programa Liderar esteve reunida em Brasília entre os dias 2 e 6 de dezembro
Primeira turma do Programa Liderar esteve reunida em Brasília entre os dias 2 e 6 de dezembro

A primeira turma do Programa Liderar – Desenvolvendo lideranças na Amazônia, esteve reunida em Brasília, entre os dias 2 e 6 de dezembro, para o terceiro e último encontro do programa. Foram cinco dias intensos de debates, visitas aos órgãos públicos, além de exercícios sobre as agendas verde e marrom da Amazônia.

Temas como licenciamento ambiental, políticas públicas, Bolsa Verde, Cadastro Ambiental Rural (CAR) e Amazônia sob pressão foram discutidos pelos participantes. Eles ainda tiveram a oportunidade de visitar os ministérios de Minas e Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento Agrário. “Nos ministérios conseguimos informações que vamos repassar para as comunidades”, afirma Francisco Monteiro Duarte, liderança extrativista do Sul do Amazonas.

No último dia, as lideranças fizeram uma avaliação dos 10 meses do programa. “Percebi que avançamos na questão das negociações das políticas públicas. Tivemos projetos do município que já foram liberados e negociamos com outras diversas instituições. O Programa Liderar facilitou muito na forma de cobrar de maneira certa e bem estratégica”, afirma Raimundo Freire dos Santos, liderança agroextrativista do Pará.

“É um grande conhecimento profundo que estou levando para a base. Não é só que eu estou ganhando, meu povo ganhou porque posso articular outros recursos que beneficiam a comunidade”, diz Virgílio dos Santos Silva, liderança extrativista do Pará. “O que aprendi aqui vou compartilhar o máximo que puder com os meus companheiros”, conta Gleice Coelho de Souza, outra liderança do Pará.

Francisco Leandro do Nascimento Araújo, do sul do Amazonas, destacou a troca de experiências entre o pessoal do Pará e do Amazonas: “Foi muito bom perceber que a luta e as dificuldades são as mesmas”.

 “O Liderar foi criado como se fosse uma criança que nasceu há poucos meses, engatinhou muito rápido, aprendeu a andar, cresceu, está se multiplicando e tem uma família muito grande”, define Antônio Carlos Nunes do Nascimento, liderança extrativista do sul do Amazonas. “É uma família nova que a gente conquistou durante 10 meses”, concorda Virgílio.

Os coordenadores do IEB, Cloude Correia, Henyo Barretto e Manuel Amaral, apresentaram os projetos desenvolvidos nas diferentes áreas de atuação da instituição. Maria José Gontijo, Diretora Executiva do IEB, questionou os participantes sobre a perspectiva de futuro da atuação das lideranças na Amazônia: “O que vocês podem fazer a partir dessa experiência do Liderar por suas comunidades? E como o IEB vai poder ajudar vocês?”

No encerramento, Maria José relembrou a frase, de autor desconhecido, que citou como inspiração para as lideranças no primeiro encontro ocorrido em maio: “As pessoas que querem fazer do mundo um lugar pior não descansam. Por que nós, que queremos fazer do mundo um lugar melhor, vamos descansar”? 







Comentários