Formar PNGATI em curso

Primeiro módulo do curso básico do Projeto Formar PNGATI começa em Cacoal, Rondônia.

 

Quem vai implementar a PNGATI? De onde virão os recursos? Essas e outras perguntas partem de indígenas e não indígenas de todo o país preocupados com a implementação da Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas (PNGATI). A política foi aprovada há pouco mais de um ano e ainda restam muitas dúvidas. Os questionamentos serão esclarecidos no primeiro módulo do curso básico de implementação da PNGATI, de 8 a 12 de agosto, no Centro de Formação Paiter Suruí, da Associação Metareilá do Povo Indígena Suruí, no município de Cacoal, Rondônia.

Um dos objetivos do curso básico é nivelar e qualificar os entendimentos básicos necessários para a compreensão do conceito de gestão ambiental e territorial e aproximar os participantes do texto do decreto da PNGATI. “Vamos também discutir o perfil e os papéis dos participantes e sensibilizar para os desafios de implementação da política,” afirmou Marcela Menezes, assessora técnica do projeto.

Serão 35 participantes, entre gestores indígenas e públicos, que terão a oportunidade de discutir sobre diversos temas como o surgimento e o histórico da PNGATI, as especificidades do decreto e seus objetivos, seus instrumentos e diretrizes, e também de conhecer diferentes experiências indígenas de gestão ambiental e territorial.   

“O primeiro módulo do curso em Rondônia pode ser pensado como um marco no processo de formação de gestores públicos e indígenas em gestão territorial e ambiental. Após várias discussões interinstitucionais envolvendo atores governamentais, não governamentais e movimento indígena inicia-se um valioso processo de formação como parte das ações de implementação da PNGATI”, afirmou Cloude Correia, coordenador do projeto.

O curso básico em Rondônia será realizado em cinco módulos. Neste módulo inicial também será orientado o início das atividades de pesquisa colaborativa a serem executadas nos períodos de dispersão, que, ao final do curso, poderá resultar em sugestões de ações para a implementação da PNGATI.

O Formar PNGATI é uma realização do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), da Fundação Nacional do Índio (Funai), do Ministério do Meio Ambiente (MMA), e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O projeto é financiado pela Fundação Gordon e Betty Moore e conta com a parceria da Agência de Cooperação Internacional Alemã (GIZ), do Projeto de Gestão Ambiental e Territorial Indígena (GATI), da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), além de organizações indígenas e indigenistas nas suas três regiões de atuação: Rondônia, sul do Amazonas e Roraima.







Comentários