Gestão de recursos naturais é tema de oficina em Portel (PA)

Evento marcou a seleção de organizações sociais que serão assessoradas nas atividades de Manejo Florestal Comunitário 

“Estamos aqui porque acreditamos que podemos mudar a região em que vivemos através da sustentabilidade”, relata Maria Santana, comunitária da Gleba Cangatá, em Portel (PA). Com esta motivação, o projeto Embarca Marajó, realizado pelo Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), com apoio financeiro do Fundo Socioambiental Caixa e apoio do Fundo Vale, realizou no dia 29 de abril, em Portel, a oficina Fortalecimento da gestão dos recursos naturais.

O evento contou com a participação de 34 pessoas, dentre instituições da sociedade civil e poder público. O objetivo da oficina foi iniciar a seleção das organizações sociais que receberão assessorias para o MFCF e socializar o plano de Manejo da gleba Acuti Pereira, localizada no município de Curralinho.

Sustentabilidade

Segundo o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), entre agosto de 2011 e julho 2012, o arquipélago do Marajó mostrou-se como uma das áreas mais recorrentes de exploração madeireira não autorizada, chegando a possuir 17% da madeira ilegal do Estado. Dados de dezembro de 2014, do mesmo instituto, ainda comprovam que Portel configura como um dos dez municípios mais desmatados do Pará.

Inseridos nesse contexto, a população marajoara tem os recursos naturais como base econômica e vê o seu principal elemento de reprodução social - a natureza- sendo indevidamente utilizado, algumas vezes até por eles mesmos.

Neste sentido, a oficina Fortalecimento da gestão dos recursos naturais foi realizada com o intuito de sensibilizar para o manejo florestal comunitário no Marajó, de forma que ele seja um instrumento para o fortalecimento do desenvolvimento sustentável na região. Para isso, o projeto Embarca Marajó realizou escutas dos comunitários de Curralinho, Portel e Melgaço, visando selecionar quatro organizações sociais que já trabalham com o manejo florestal, mas possuem limitações organizativas e práticas para a execução da atividade. O projeto concederá aos selecionados assessoria administrativa e técnica para o planejamento do MFCF em suas comunidades.

No evento também foi apresentado o pré-plano de Manejo Florestal Comunitário da gleba Acuti Pereira, exemplo de comunidade que contou com a assessoria do IEB e encontra-se em processo avançado de manejo florestal. A partir do plano, pôde-se observar os ganhos ambientais da região e analisar o potencial florestal da gleba, que em 97 hectares inventariados, totalizou mais de R$ 600 mil de madeira,  em diferentes usos,  no território.

O Projeto

A oficina Fortalecimento da gestão dos recursos naturais aconteceu no âmbito do projeto Embarca Marajó, que objetiva implementar ações socioeconômicas e ambientais, visando o desenvolvimento local sustentável do território, integrado a políticas públicas, especialmente nos municípios onde trafega a Agência-Barco Ilha do Marajó.

Raimunda Rodrigues, coordenadora de projetos do IEB, afirma que a oficina é apenas uma das primeiras metas da iniciativa financiada pelo Fundo Socioambiental da Caixa e que surge no sentido de abordar a correta gestão dos recursos naturais.  “A sustentabilidade se dá na medida em que vinculamos práticas produtivas ao manejo adequado da floresta”, afirma.

Após a escolha das quatro organizações sociais, a próxima atividade do projeto será uma reunião com as entidades selecionadas, com o intuito de estabelecer um acordo de cooperação que visa oficializar a realização das assessorias para a prática do MFCF.  







Comentários