IEB e parceiros realizam curso de atividades econômicas sustentáveis em terras indígenas em Cacoal

Teve início no domingo, 17/07, a primeira etapa do Curso Modular de Atividades Econômicas Sustentáveis em Terras Indígenas, em Cacoal/RO. A atividade, que vai até o dia 30 de julho, tem o objetivo de preparar os povos indígenas para que, a partir de suas

Teve início no domingo, 17/07, a primeira etapa do Curso Modular de Atividades Econômicas Sustentáveis em Terras Indígenas, em Cacoal/RO. A atividade, que vai até o dia 30 de julho, tem o objetivo de preparar os povos indígenas para que, a partir de suas próprias experiências e conhecimentos, construam uma compreensão mais ampla no contexto do mercado capitalista. A proposta parte do principio do diálogo intercultural: inserir o processo de ensino e aprendizagem que valoriza as práticas e os saberes dos povos indígenas em relação à produção e à comercialização de bens e serviços (objeto da economia); e o conhecimento de diversas abordagens científicas ocidentais (economia, agronomia, ecologia, antropologia e ciência política). Participam 25 indígenas indicados por suas associações da região do sul do Amazonas, Rondônia e noroeste de Mato Grosso.

O curso, oferecido pelo IEB, por meio do Consórcio Garah Itxa, é dividido em três partes. A primeira vai até o final do mês, a segunda, não presencial, de 31 de julho a 03 de setembro e a última de 04 a 17 de setembro. A ação conta com a parceira da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), instituição certificadora, e com o apoio da United States Agency for International Development (USAID).

O primeiro módulo, presencial, vai oferecer uma base de conhecimentos científicos e técnicos para os alunos em relação a atividades econômicas sustentáveis em terras indígenas. O segundo módulo, não-presencial, conta com atividades de campo que serão realizadas com o objetivo de propiciar a oportunidade de fazer um diagnóstico preliminar da situação sócio-econômica do seu povo, com base nos conceitos apreendidos. O terceiro módulo, também presencial, objetiva sistematizar os resultados, para construir um diagnóstico coletivo participativo da região, além de estimular os alunos a refletirem sobre os desafios, as oportunidades, as políticas e os programas relacionados com atividades produtivas.

O consórcio é liderado pelo IEB em parceria com a Associação Metareilá do Povo Indígena Suruí (Gamebey), a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), a Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé, a Equipe de Conservação da Amazônia (ACT Brasil) e a Conservação Estratégica (CSF Brasil).

A atuação do consórcio centra-se no Corredor Etnoambiental Mondé-Kawahiba. Neste corredor, encontram-se 13 terras indígenas - habitadas por 10 povos - e 33 unidades de conservação. Os trabalhos do consórcio na região tiveram início em setembro de 2009 - e se estenderão até dezembro de 2012 - com o objetivo geral de fortalecer os povos indígenas e suas instituições em assuntos diversos para que eles possam participar de uma estratégia integrada de conservação e gestão do corredor.







Comentários