IEB inicia sua participação em iniciativa internacional para elaboração de um padrão transnacional para projetos de REDD+

Esta foi a primeira reunião da Iniciativa Platinum Standards (PS) onde foram discutidas, inicialmente, princípios e critérios para projetos alinhados com o REDD+

Aconteceu entre os dias 22 e 23 de fevereiro, na cidade de Lima (Peru), a primeira reunião da Iniciativa Platinum Standards (PS) onde foram discutidas, inicialmente, princípios e critérios para projetos alinhados com o REDD+ sob a dimensão Socio-Econômica-Cultural. A elaboração do Standard para projetos de REDD+ é uma iniciativa de cinco países da América Latina: o Brasil, Equador, Colômbia, Peru e Bolívia. A atividade é organizada pela Universidade de Columbia (EUA) por meio do CEES, Centro para Economia Meio Ambiente e Sociedade em aliança com Fundos Ambientais (ETFs – Environmental Trust Funds) e por representantes de diferentes setores envolvidos com o tema REDD+ desses países. O Brasil é representado pelo FUNBIO, além dos especialistas de cada área temática.
Leonardo Hasenclever, responsável pela agenda de mudanças climáticas e REDD(+) no IEB, acompanhou o primeiro debate do processo que busca estabelecer padrões (PS) para a certificação de projetos no âmbito da implementação dos mecanismos de redução de emissões por desmatamento e degradação, aliados a ações de conservação e manejo florestal (REDD+). Estes padrões, uma vez estabelecidos e aplicados devem garantir, para além dos benefícios à conservação das florestas e biodiversidade, clareza na geração de benefícios sociais e respeito aos direitos dos povos tradicionais, comunidades florestais e indígenas. A proposta é que os princípios e critérios definidos pelos grupos de trabalho sirvam de parâmetro para a certificação dos projetos que receberão recursos dos referidos fundos ambientais. Na visão de Leonardo, a organização do tema no Brasil é a mais aprofundada, pois há um acúmulo de informações resultante do trabalho de diversas organizações que enfocam temas socioambientais e atuam com povos tradicionais e indígenas na Amazônia brasileira.
Mais informações: imprensa@iieb.org.br







Comentários