IEB promove reunião entre sociedade civil e multinacional norueguesa

A reunião mostrou que os representantes de comunidades, associações e movimentos sociais estão dispostos a dialogar para resolver os problemas causados pelas atividades minero-metalúrgicos na região.

No dia 06 de setembro, em Barcarena, dez lideranças de entidades da sociedade civil local se reuniram com representantes da multinacional NorskHydro (NH), empresa norueguesa que comprou a participação acionária da Vale nas principais indústrias do município (Albrás, Alunorte e a Companhia de Alumina do Pará). Embora os impactos socioambientais de quase 30 anos coloque em conflito empresas e alguns segmentos da sociedade barcarenense, a reunião mostrou que os representantes de comunidades, associações e movimentos sociais estão dispostos a dialogar para resolver os problemas causados pelas atividades minero-metalúrgicos na região.

“Queremos implantar um novo modelo de desenvolvimento em Barcarena”, disse o integrante do Movimento de Luta Popular, Petronilo Alves, durante a reunião. A expectativa dele e de outros representantes da sociedade civil é que a gestão da NH no município seja diferente da multinacional que a precedeu. “A gente sabe que quando a empresa se instala, tem motivações econômicas, mas sabe da responsabilidade social dela, que passa pelo respeito a sua 'vizinhança', que são as comunidades”, deixou claro Petronilo aos representantes da Hydro.

A diretora de relações com a comunidade e responsabilidade social da NH Brasil, Anne Lene, explicou que o governo da Noruega elaborou um documento esclarecendo o que ele espera da atuação de suas empresas em outros países. “Essas expectativas envolvem aspectos ligados aos direitos humanos, questões ambientais, direitos trabalhistas, transparência e questões sociais. Temos consciência das nossas atividades e buscamos fazê-la de forma bastante responsável, independente de onde estamos”, disse Anne Lene, sinalizando as referências que orientarão as atividades da Hydro no município.

A reunião foi resultado de três anos dos projetos de fortalecimento institucional em Barcarena, desenvolvidos pelo IEB e entidades da sociedade civil. A atual fase dos projetos está direcionada à criação de um Espaço Público (fórum, conselho, rede), com membros do governo, das empresas e da sociedade. Para a representante da Associação de Mulheres do Campo e da Cidade, Maria Lindalva Melo, buscar o entendimento é uma das melhores formas de resolver problemas. “Com o diálogo, certamente vamos formular propostas que venham atender nossos anseios", esclarece a liderança comunitária sobre os objetivos do Espaço Público. Já para o diretor de sustentabilidade e responsabilidade social da NH, Ivar Oellinglath, a proposta da criação de um espaço de diálogo, inclusive com a presença do governo, é um bom começo para encontrar soluções: “É algo que está alinhado com o que acreditamos”, disse Oellinglath.

Segundo o gerente regional do IEB de Belém, Manuel Amaral, a reunião inaugura um novo momento nas ações dos projetos em Barcarena. "Entendemos que a NH pode ser uma aliada na criação do Espaço Público, atraindo outras empresas que atuam na região para conversar e debater os problemas do município”, destaca Amaral acerca da função estratégica desse primeiro encontro.

Os projetos de fortalecimento institucionais em Barcarena são desenvolvidos com o apoio da União Europeia e com recursos do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre a Imerys e o Ministério Público do Estado do Pará. Entre as atividades dos projetos estão os cursos de capacitação, enfatizando, dentre outros temas, a responsabilidade social das empresas.







Comentários