Municípios discutem Manejo Florestal Comunitário Familiar

Comunitários apresentam as dificuldades e as necessidades da região. 

 

Com informações da Agência do Pará

Durante os meses de novembro, dezembro de 2012 e janeiro de 2013 o Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Florestal do Pará (Ideflor- PA) deram continuidade às “Oficinas de Discussão e Elaboração da Política Estadual de Manejo Florestal Comunitário e Familiar (MFCF)”. Os eventos ocorreram em quatro cidades polo do estado: Altamira, Marabá, Breves e Igarapé-Miri. As atividades tiveram o apoio da Usaid, por meio do projeto Empreendimentos Florestais (Cluster Enterprise).


A oficina realizada no campus da Universidade Federal do Pará (UFPA) em Breves, região do Marajó, nos dias 30 de novembro e 01 de dezembro, foi uma das atividades de destaque. Ela reuniu cerca de 100 comunitários de 16 municípios do arquipélago. O evento também contou com a presença de membros de ONGs e instituições públicas, que durante três dias apresentaram as dificuldades e as necessidades para desenvolver o manejo na região.


Além de discutir questões ligadas à política estadual de manejo florestal, os participantes também presenciaram de um ato público que regularizou 500 mil hectares de terra para fins de ordenamento fundiário e ambiental no município de Portel, também no Marajó. O Decreto nº 579, de 30 de outubro de 2012 beneficiou mais de quatro mil famílias, restringindo as terras para as atividades de manejo florestal comunitário e familiar, caça e pesca de subsistência, agricultura de subsistência em áreas alteradas, com transição para sistemas agroflorestais e agroecológicos. 

 

Oficinas


As oficinas têm o objetivo de analisar princípios e diretrizes para a elaboração da Política Estadual de Manejo Florestal Comunitário e Familiar. Os participantes avaliam e discutem as responsabilidades do poder público e os instrumentos jurídicos que ajudam a promover benefícios econômicos, sociais e ambientais aos extrativistas.


Durante as atividades, os participantes se dividem em grupos temáticos e destacam diversos pontos, tais como a necessidade de desenvolver a região preservando os recursos naturais, a adequação da educação para o manejo florestal, a relação empresa-comunidade, bem como a criação de um centro de capacitação para produtores familiares e técnicos, além de pensar em uma estrutura para desenvolver o manejo de produtos da sociobiodiversidade.


Em novembro, as oficinas foram realizadas em Altamira, PA, entre os dias 13 e 14, e Marabá,PA, entre os dias 21 e 22. Em janeiro, a cidade de Igarapé-Mirim, na região do Baixo Tocantins, também debateu as propostas da Politica de Manejo Florestal Comunitário Familiar. Ao todo, as oficinas nesses três municípios reuniram cerca de 80 participantes. O próximo encontro para discutir a elaboração da Política Estadual de Manejo Florestal Comunitário e Familiar será a cidade Santarém, nos dias 21 e 22 de fevereiro de 2013.







Comentários