Prefeitura adere ao Fórum de Barcarena

Reunião oficializa a participação da prefeitura de Barcarena no projeto de Fórum de diálogo intersetorial

 

Estabelecer um espaço público que favoreça o diálogo entre empresas, organizações sociais e governo, com a finalidade de elaborar alternativas de desenvolvimento que melhorem as condições de vida da população. Este é o objetivo do Fórum de Diálogo Intersetorial de Barcarena, no Pará, uma proposta que a prefeitura do município acaba de aderir oficialmente, em um encontro que aconteceu na tarde do dia 13 de agosto, e que reuniu representantes da sociedade civil, das empresas e do poder público local.

Durante a reunião, o prefeito de Barcarena, Antônio Carlos Vilaça, disse que “a falta de um planejamento adequado após a instalação das empresas fez com que o município passasse por um inchaço populacional, o que acarretou em problemas estruturais para cidade”.

Segundo o secretário de planejamento da prefeitura, Alberto Góes, a ação conjunta que o fórum propõe ajudaria na solução desses problemas.  “Entendemos que essa relação governo, poder público, setor empreendedor e sociedade civil é uma relação muito produtiva, isso ajuda na condução de soluções pra problemas estruturais de Barcarena e com certeza facilitará a vida de todos“, destacou Góes, que a partir de agora será o responsável pelos encaminhamentos da prefeitura diante do Fórum.

Próximos passos

O Fórum de Diálogo Intersetorial será composto por representantes da sociedade civil, das empresas e do poder público local. A prefeitura de Barcarena era a única representação que ainda precisava aderir ao projeto. Com sua adesão oficial, deu-se um passo importante rumo à consolidação do Fórum, como explica o representante da sociedade civil, Gwerson Gley: “Fecha-se um ciclo e abre-se uma nova etapa com o apoio da prefeitura. Nós esperamos que a partir de agora consigamos resultados mais concretos”.

Para a representante da Albrás, Elena Brito, abriu-se espaço para uma nova fase do projeto, o momento agora é de definição: “O diálogo já foi feito, o que precisamos agora  é sistematizar tudo o que foi discutido, colocar no papel, e definir os objetivos, o funcionamento e a sustentabilidade, elementos que vão dar embasamento para a regulamentação do Fórum”, explicou.

No final de agosto, o IEB realizará uma reunião para definir os próximos passos para a consolidação do Fórum que, antes de ser lançado oficialmente, ainda precisa passar por cinco etapas: definição de objetivos, composição, funcionalidade, sustentabilidade e cronograma de ações/agenda. A previsão é que o lançamento aconteça no início de outubro.







Comentários