Seminário de Óleos Vegetais Realizado em Santarém Coloca em Pauta o Futuro da Sociobiodiversidade no Oeste do Pará

A atividade pretendeu fortalecer a estruturação dos grupos e traçar diretrizes para a cadeia, a partir da articulação com representantes dos diversos setores envolvidos e teve como objetivo discutir sobre a Cadeia de Valor dos Óleos Vegetais para a região

Aconteceu em Santarém, entre os dias 23 e 25 de agosto, o “Seminário de Óleos Vegetais do Oeste do Parᔠe o Encontro de Consolidação do GT de Óleos Vegetais. O evento foi promovido pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará (IDEFLOR) em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Santarém, o Grupo de Trabalho de Óleos Vegetais do Oeste do Pará e o Projeto Floresta em Pé.
O Projeto BR 163 Floresta, Desenvolvimento e Participação apoiou a realização do evento, que também contou com a colaboração do Instituto Internacional de Educação no Brasil (IEB), da GTZ, da Prefeitura de Santarém, do Instituto de Tecnologias Sustentáveis para a Amazônia (ITESAM), e do Fundo Francês para o Meio Ambiente Mundial (FFEM), que colaboraram para reunir cerca de 100 representantes de comunidades extrativistas vindos de municípios como Uruará, Rurópolis, Terra Santa, Alenquer, Belterra, Santarém, Aveiro, Oriximiná, Óbidos, Curuá, Altamira, Novo Progresso, Itaituba, Moju dos Campos, Trairão, Monte Alergre, Faro, Porto de Moz, além de técnicos, pesquisadores de entidades governamentais, instituições de ensino e pesquisa, setor empresarial, ongs e movimentos sociais.
A atividade pretendeu fortalecer a estruturação dos grupos e traçar diretrizes para a cadeia, a partir da articulação com representantes dos diversos setores envolvidos e teve como objetivo discutir sobre a Cadeia de Valor dos Óleos Vegetais para a região, com ênfase nos óleos de copaíba e andiroba.
Esta atividade dá prosseguimento a uma série de encontros e reuniões técnicas que vem acontecendo desde 2008, quando foi realizado pela Diretoria de Extrativismo do Ministério do Meio Ambiente (DEX/MMA) um mapeamento nacional da cadeia de óleos e a seleção, com base em critérios políticos, sócio-culturais, econômicos e ambientais, da região de influência da BR 163 como território prioritário.
Entre os participantes do evento, era unânime a afirmação da importância do seminário para troca de experiência e intercâmbio de técnicas para coleta e beneficiamento dos óleos. Para Gilvane Silva, extrativista de Uruará que participa do Projeto Sementes da Floresta, desenvolvido pela Associação Cultura Franciscana (ACF) com apoio da Cáritas Brasileira, o evento chamou a atenção para a necessidade de conhecer a realidade de povos extrativistas de outros municípios. A senhora Maria da Conceição, do município de Curuá, e que durante o seminário expôs produtos como óleo e farinha de babaçu, ressaltou também a importância de dar visibilidade aos produtos que historicamente fazem parte do dia a dia das comunidades rurais, que algumas vezes desconhecem seu potencial econômico, alimentar e medicinal.







Comentários